Publicado em

Dia de Reis – comentários da Catena Aurea

Hoje é Dia de Reis! Que tal compreendermos mais profundamente esta importante data do calendário cristão com a ajuda dos grandes teólogos da Igreja? Seguem abaixo alguns comentários presentes na “Catena Aurea”, compilada por S. Tomás de Aquino:

Remígio: Por que o evangelista disse que “vieram do Oriente”? Porque seu país estava situado na fronteira oriental da Judéia. Por outro lado, as palavras “vieram do Oriente” nos oferecem o magnífico sentido de que, sendo Jesus Cristo chamado “o Oriente”, segundo aquelas palavras de Zacarias: “Eis o homem, cujo nome é Oriente” (Zac 6,12), todos os que vêm ao Senhor, vêm d’Ele e por Ele.

São Gregório: o ouro corresponde ao rei, o incenso fazia parte dos sacrifícios que se faziam a Deus, e a mirra serve para embalsamar os cadáveres.

Santo Agostinho: se lhe oferece o ouro como a um grande rei, se queima o incenso em sua presença como diante de Deus, e se lhe oferece a mirra como àquele que haveria de morrer pela salvação de todos.

Remígio: deve notar-se que cada um dos três não apresenta por si separadamente um dos três presentes, mas juntos, proclamando assim o Rei, o homem e Deus.

S. Gregório: isso também pode significar outra coisa, entendendo-se pelo ouro a sabedoria, segunda a frase de Salomão: “Na casa do sábio há preciosas reservas” (Pr 21, 20); pelo incenso que se queima diante de Deus, a virtude da oração, conforme o versículo de Davi: “Que minha oração suba até vós como a fumaça do incenso” (Sl 140,2), e pela mirra a mortificação da carne. Oferecemos, pois, ouro a este novo Rei, se resplandecemos diante dele com a luz da sabedoria; o incenso, se por meio de nossas orações exalamos em sua presença um aroma fragrante; e mirra se com abstinência mortificamos nossos apetites sensíveis.

Glosa: os três homens que oferecem a Deus seus presentes representam a seus pés as nações vindas das três partes do mundo. Enquanto abrem seus tesouros, fazem sair do fundo do seu coração a confissão da fé. Fazem-no “na casa” (Mt 2, 11) para nos ensinar que não devemos tornar públicos os tesouros de nossa alma. Oferecem três presentes, isto é, a fé na Santíssima Trindade. Também se pode entender que dos seus tesouros abertos eles oferecem os que são figuras dos três sentidos da Sagrada Escritura: o histórico, o moral e o alegórico; ou as três partes da ciência: a lógica, a física e a moral, as quais servem todas à fé.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *